A palavra do Presidente

Quem luta pelo comunismo tem o poder de lutar e não lutar

Quem luta pelo comunismo tem o poder de lutar e não lutar, de dizer a verdade e não dizer a verdade; prestar serviços e negar serviços; manter a palavra e não cumprir a palavra; enfrentar o perigo e evitar o perigo; identificar-se  e não identificar-se.
Quem luta pelo comunismo tem de todas as virtudes apenas uma: a de lutar pelo comunismo.

Bertold Brecht, A medida punitiva  (citado pelo jornalista William Waack, em seu livro  Camaradas)

Este trecho do pensamento de Bertold Brecht, dramaturgo e poeta alemão, marxista-leninista muito festejado pela nova esquerda brasileira, resume em poucas palavras o relativismo moral que baliza sua perversa doutrina.           

Raízes da Violência

      O primeiríssimo direito humano a ser tutelado pelo Estado é o direito à vida, sem o qual, por óbvio, ou como diria o folclore do Conselheiro Acácio, todos os outros cairiam por terra.
       Ora, há pelo menos vinte anos (anos de chumbo?), uma ideologia materialista, pretensiosa e minoritária, porém fanática e estridente, vem tentando desmontar os princípios basilares da cultura judaico-cristã do nosso povo, edificada em 500 anos pela tenacidade dos nossos antepassados. 
      Hoje temos mais de 60 mil brasileiros assassinados anualmente, alunos surrando professores em sala de aula, sexo irresponsável ensinado a crianças nas nossas escolas públicas e outras barbáries.
        Alguém ainda está surpreendido com tal mixórdia?
     O perverso projeto propõe, hipocritamente, instalar no país uma falsa democracia onde somente vicejam direitos, sem quaisquer deveres correspondentes, para, ao fim da anarquia, substituí-la pelo regime do partido único, do chefe único, da imprensa única, enfim, do pensamento absolutamente obscuro e único. 

       Não vamos deixar!

Rui da Fonseca Elia
Vice-Almirante (Ref) – Presidente do Clube Naval.

Reuniões com Oficiais da ativa

Estão sendo realizados rotineiramente encontros de confraternização dos componentes da Diretoria do clube com oficiais das Praça D’ Armas e os titulares das OMs  situadas próximas à Sede Social. Os eventos ocorrem no Salão Tijupá, localizado no 7º andar. Tais encontros têm como propósitos: estimular oficias a se tornarem sócios efetivos; proporcionar momentos de agradável convivência entre oficiais da ativa, da reserva ou reformados, em reuniões que ocorrem no Salão Tijupá; e oferecer uma visita guiada para divulgação de aspectos artísticos e culturais das instalações da Sede.                                                                         
Foram realizados almoços com oficiais da armada, fuzileiros navais, intendentes, e engenheiros das seguintes OM: 
 
a) 27 de fevereiro de 2018 - navios que se encontravam atracados no AMRJ: Fragata      “Independência”,  Submarino “Tupi”, NHoF “Alte. Graça Aranha”, e Submarino “Timbira”;
 
b) 11 de abril de 2018 - ComPesFN, ComMatFN, BtlNav e PM; 
 
c) 29 de maio - DAbM, DFM, DAdM; PAPEM e SVPM; e
 
d) 24 de julho - DIM, DEN, DSAM, AMRJ e CTMRJ.
 
Rui da Fonseca Elia
Vice-Almirante (Ref) – Presidente do Clube Naval.

Atuação da Brigada de Incêndio

Com muita satisfação faço consignar ao Corpo Social do Clube Naval a excelente impressão que me deixou a conduta profissional da Brigada de Incêndio da nossa Sede Social quando, na tarde do último 17 de agosto, irrompeu um princípio de incêndio na cozinha do Espaço Tijupá, no sétimo andar do prédio.
Estando na Sede, pude pessoalmente observar a pronta e eficaz resposta ao sinistro, que por certo impediu a perigosa propagação do fogo aos pavimentos inferiores. De forma especial, ressalto a proficiência da coordenação da faina pelo Encarregado do Assessor Administrativo e Financeiro, CMG (RM1-IM) Marcos Moura. Além disso, conforme relato pessoal do Diretor Social – CMG (Ref.) Spranger, merece também registro a valorosa conduta dos funcionários Mauro, Isaias e Willan.
No âmbito externo, destaco a pronta solicitação preventiva do Corpo de Bombeiros e a rápida chegada ao local dos carros e ambulância, que foi de muita valia para as providências de verificação final da extinção do sinistro.
Rui da Fonseca Elia
Vice-Almirante (Ref) – Presidente do Clube Naval.

Soberania

No dia 10 de setembro deste ano, por volta das 06h30 da manhã, assisti pela Globo News imagens que, desgraçadamente, já se tornaram rotina no Rio de Janeiro e há anos vêm se espalhando por todo o país. Na Cidade de Deus, ainda ardia um baile funk. “Soldados”do narcotráfico, fortemente armados com fuzis privativos das Forças Armadas, “policiavam”ostensivamente a mixórdia. Um Estado criminoso dentro do Estado Federal brasileiro. Somente um alienado completo não vê que o problema da segurança pública que assombra a nação já se transformou, de muito tempo, em perda da soberania do próprio Estado Federal. 
Já são 62 mil brasileiros assassinados neste ano, dentre eles 70 policiais combatendo em defesa da sociedade.
Uma permanente e inominável vergonha, uma perversa metástase do desmonte dos valores históricos e culturais da nacionalidade. 
Até quando, feito gado indo para o matadouro, o povo brasileiro tolerará tal degradação? 7 de outubro vem aí, é hora da virada.
 
Rui da Fonseca Elia
Vice-Almirante (Ref) – Presidente do Clube Naval.

Páginas